fbpx
Luz quente ou luz fria? | Blog Unigran Net

É normal ter dificuldade na hora de escolher a iluminação ideal para cada tipo de ambiente. Muito além das questões estéticas, escolher entre a luz quente ou fria associa questões de luminotécnica com as sensações de cada indivíduo, as quais são subjetivas.

Por isso, iremos apresentar os principais critérios para definir a temperatura de cor das lâmpadas e ter confiança na hora de fazer essa escolha tão importante.

Acompanhe!

A TONALIDADE DA LUZ

Antes de entender qual a diferença entre a luz quente e fria, é preciso compreender o que é a tonalidade da luz e como ela está diretamente ligada nessas questões.

Em meados de 1931, Kelvin realizou uma representação gráfica obtida através de uma analogia de temperaturas em Graus Célsius (K), como mostra a figura abaixo.

Gráfico de iluminação (Frase da Imagem: Kian Iluminação).

Quanto mais branca for a luz e, consequentemente, quanto maior for a escala Kelvin, mais alta é a temperatura de cor, enquanto quanto mais baixa a temperatura de cor for, mais amarelada será essa luz.

Até 3.500K: Luz numa tonalidade mais amarelada, quente.
Entre 3.500K e 5.500K: Luz branca neutra, seu tipo de luz se aproxima mais da luz do dia.
A partir de 5.500K: Luz mais azulada, tonalidade fria.

IMPORTÂNCIA DE UMA BOA ILUMINAÇÃO:

Além de valorizar os detalhes da arquitetura da casa e da decoração, a escolha de uma boa iluminação também interfere diretamente no conforto, bem estar e eficiência dos ambientes.

Por vezes, o ambiente pode trazer a sensação de desconforto ou ser desagradável, justamente por utilizar a iluminação inadequada para a funcionalidade daquele espaço.

A própria produtividade e descanso tem interferência da iluminação do ambiente, por isso a escolha precisa ser feita com muita atenção e entendendo qual tonalidade de luz funcionará melhor para aquele cômodo.

ONDE E COMO USAR?

Como dito anteriormente, a iluminação vai interferir na funcionalidade daquele espaço e, por isso, há recomendações para cômodo.

Cozinha

Como é um ambiente de trabalho e que precisa que o morador tenha uma boa visão com manuseio de facas, tesouras e demais instrumentos, o recomendado é utilizar a luz fria.

Sala de estar

Espaço que pode ser utilizado para receber visitas, assistir TV e que em geral tem como objetivo ser acolhedor. Por isso, o morador pode optar em dividir esse cômodo em setores que atendem melhor cada atividade: Uma luz quente para o cantinho da leitura, luz neutra para a área da TV e luz fria, direcionada ao home offices.

Banheiro

Preferencialmente, a iluminação deve ser feita com luz fria já que é uma área de higiene e limpeza. Há a opção de spots de luzes direcionados a espelhos e chuveiro.

Escritório

Em áreas de trabalho, priorize a luz fria para que a produtividade seja estimulada e para que consiga ter uma visão nítida. Vale ressaltar que é importante colocar as luzes estrategicamente, sem ofuscar as telas de aparelhos eletrônicos.

Quartos

Por ser um local de descanso e onde os moradores procuram conforto, o melhor é usar iluminação é a luz quente próximo dos espaços da cama. Mas, é interessante ter pontos específicos com abajures e luminárias para aquela última leitura antes de dormir.

Quer entender mais sobre luminotécnica, instalações e conforto ambiental? Conheça o curso de Design de Interiores da Unigran EAD. Como matérias da grade curricular, o aluno terá contato com esse e muitos outros conceitos que fazem toda a diferença em um ambiente! Clique aqui.

Leia mais sobre essa área acessando nosso blog.


Postagens Relacionadas