fbpx
Qual o impacto da bolsa de valores no meu negócio? | Blog Unigran Net

O entendimento correto do que é a bolsa de valores e seu respectivo mecanismo de funcionamento é de suma importância, especificamente, para entendermos como se desenvolve aspectos entrelaçados a economia de um país. 

No entanto, poucos entendem qual é a influência desta sobre as empresas e os negócios, de fato. Como a Bolsa de Valores pode influenciar, direta ou indiretamente, tanto organizações multinacionais que faturam bilhões , quanto o mercadinho na esquina da sua casa?

Estamos aqui para te ajudar a entender melhor este assunto. Mas antes, iremos saber o que é Bolsa de Valores. Vamos nessa?

Uma “feira” onde se negocia “milhões” todos os dias

Com o perdão do trocadilho (“milhões”, milho? rs) , podemos considerar a comparação da bolsa de valores com uma feira bem interessante. Trata-se de um local onde investidores podem negociar, de modo seguro, títulos e ações emitidos por empresas, sejam elas públicas, mistas ou privadas.

O objetivo central de uma bolsa de valores é justamente fornecer segurança na intermediação, sobretudo de ações (o bem mais negociado, de longe). Uma ação é uma pequena parte de uma empresa ou uma parte do seu capital social. 

Isso porque quando efetuamos a sua devida compra, automaticamente nos tornamos sócios e, dependendo da quantidade adquirida, podemos ter voz ativa nos rumos de uma S.A.

Existem outras modalidades que são negociadas, como títulos, debêntures, notas comerciais, etc. Deixe um comentário abaixo se quiser maiores detalhes sobre cada uma delas em um outro texto. Beleza?

Como funciona uma Bolsa de Valores?

Muita gente ainda tem a ideia de que a Bolsa de Valores é como ilustrado no filme indicado ao Oscar “O Lobo de Wall Street”. Incluindo muita gritaria, gente pendurada no telefone, mais gritaria, etc. Spoiler alert:  isto já faz parte do passado a um bom tempo.

A princípio, para investir na Bolsa de Valores é necessário abrir uma conta em uma corretora de investimentos e/ou de valores. Estas são organizações que auxiliam exatamente neste processo de compra e venda de títulos e ações.

O processo de negociação ocorre da seguinte forma:

  1. Uma empresa demonstra a intenção em vender seu capital social através de um IPO (Abertura Pública Inicial, em português);
  2. As corretoras oferecem essas ações aos primeiros investidores. É o que nós chamamos de mercado primário;
  3. Os investidores primários fazem os movimentos iniciais, ofertando propostas de compra e venda. Se entender que estas ações irão cair de valor, ele lança uma ordem de venda, e a corretora lança essa orientação para a IBOVESPA;
  4. Por outro lado, um segundo investidor envia uma ordem de compra, interessado no potencial de crescimento da ação. Como no passo anterior, a corretora envia essa ordem para a IBOVESPA;
  5. Se a ordem de compra e de venda chegarem no mesmo preço, temos um “match” (negócio fechado). É o chamado mercado secundário.
Todo o processo de formação é realizado em questão de segundos. (Fonte da imagem: Abril Exame)

Pode parecer um processo complexo e demorado, mas por conta da informatização atrelada principalmente a evolução do home broker (ferramenta online que permite a rápida comunicação entre cliente, corretora e a bolsa de valores), tudo isto é realizado em questão de segundos. 

A influência da Bolsa no Mercado

Entendida a lógica de funcionamento da Bolsa, a pergunta que não se cala é: mas como ela afeta diretamente as empresas e os negócios? E a resposta é mais simples que se imagina.

Desde o microempreendedor individual ou o mercadinho que fica na esquina da sua casa até multinacionais que faturam bilhões de dólares, todos sofrem a influência massiva do “vai e vem” da Bolsa de Valores. 

Por isso, começaremos por um termo que certamente você já deve ter ouvido falar, que é o Índice IBOVESPA. Trata-se de uma carteira virtual das ações mais negociadas pela própria, e a sua oscilação fornece uma ideia clara de como o mercado está se comportando. 

Quando este índice está em tendência de queda, é uma dica consistente de que a economia do país vai mal das pernas.

O Índice IBOVESPA é uma carteira virtual das ações mais negociadas. (Fonte da imagem: Ecos 365)

As empresas presentes nela são líderes em seus respectivos mercados, e seus maus desempenhos empurra a confiança dos investidores para a lona. Sendo assim, tanto empresas que estão em estágio inicial (as startups), quanto o restante do mercado em geral, sofrem consequências negativas.

Por tabela, a economia real (a famosa “economia do dia a dia”) também é influenciada pela Bolsa. Em cenários de recessão, a Taxa Selic (a que controla os juros no país) aumenta, elevando o custo dos produtos e/ou serviços.

Sendo assim, o consumidor costuma comprar menos e, por consequência, as vendas e o lucros das empresas diminuem consideravelmente.

Resumidamente…

Por fim, quando observamos que um determinado segmento está indo mal na Bolsa de Valores, a confiança dos investidores em realizar aportes financeiros nas empresas do mesmo setor cai bastante. Um exemplo claro foi o setor imobiliário que, depois de alguns anos em forte queda, começou a dar sinais de recuperação em 2016.

A Bolsa de Valores interage e influencia diretamente no seu negócio a todo momento, através do instrumento inerente a sua própria natureza, que é a compra e venda de ações e títulos. 

E então, pronto para ganhar milhões na Bolsa de Valores? Não?! Sem problemas. A gente te ajuda. Na graduação em Economia da Unigran EAD, você aprofundará seus conhecimentos na área para ser um novo Warren Buffet, quem sabe? 

As matrículas estão abertas. Garanta já a sua vaga!


Postagens Relacionadas