fbpx
A humanização das marcas através dos personagens digitais | Blog Unigran Net

Um dos conceitos que tem ganhado força tanto no online quanto no offline, é a humanização das marcas. Isso porque ela cria um vínculo com os consumidores e entende seus desejos, tornando mais fácil de atender os mesmos garantindo a fidelização à marca. 

E, ao falar sobre a humanização digital, é impossível não lembrar da nova estratégia das marcas: os personagens digitais! 

Com a ideia de mostrar que a marca é feita de “gente como a gente” e buscar mais relacionamento com o público, esses personagens promovem uma nova forma de comunicação!

O poder da humanização digital : 

Como o nome já sugere, a humanização digital busca humanizar os processos e estabelecer conexão com os usuários. 

Os consumidores já não querem apenas comprar e, com as redes sociais cada vez mais saturadas de conteúdos e conexões automatizadas, as marcas que adotam práticas humanizadas se destacam.

Ao diminuir as abordagens corporativas para adotar expressões mais humanas e respostas personalizadas, os clientes conseguem criar um vínculo com a marca. Além disso, passam a se sentir especial durante o atendimento, seja ele uma compra ou apenas um comentário respondido em uma publicação. 

A humanização através de pessoas “reais”

Se as redes sociais são feitas por pessoas, por que não “criar” uma pessoa que represente a marca e se relacione com o público de forma direta?

Muitas marcas deram um passo além na humanização criando então personagens digitais que visam promover essa relação com o público de uma forma mais direta. Você deve se lembrar da famosa MagaLu ou da Nat Natura, não é? 

Mas, além do Magazine Luiza e da Natura, outras marcas também criaram essas personas que podem representá-las em um ambiente digital. Veja alguns exemplos:

A assistente virtual do Sicoob leva o nome de uma ilustre figura feminina do cooperativismo: Alice Acland, fundadora da Aliança Cooperativa das Mulheres, em 1883, na Escócia.

Alice, atendente virtual do Sicoob. (Fonte da Imagem: Nova Veneza).

A Rexona apresenta a “Rê”, sua assistente virtual que ocupa o cargo de “Especialista em Proteção” fazendo jus à expertise da marca.

Rê, assistente virtual da Rexona (Fonte da Imagem: Marcas Mais).

Com a cara da geração Z, da marca Dailus também divulgou a sua assistente virtual que sonha em ser digital influencer, é louca da astrologia e expert em comprinhas on-line! 

Dai, assistente virtual da Dailus (Fonte da Imagem: O Povo).

Personagens ou influenciadores digitais?

Recentemente, a Casas Bahia, que já tinha um mascote, também inovou e vez uma versão mais jovem do personagem “Baianinho”. Ele foi adaptado em 3D com o intuito de se encaixar nas ideias de influenciador digital.

Isso não é por acaso! Esses personagens devem se comportar como reais influenciadores, mas com a vantagem de serem exclusivos para uma marca. Assim, eles têm 24h do dia para dedicar-se à criação e fortalecimento de conexões com seu público-alvo. Além de tirar dúvidas de uma forma dinâmica e criativa. 

Seja num vídeo do TikTok, uma postagem do Instagram ou um comercial na TV. Esse personagem se torna o comunicador oficial da marca! Porém, criá-lo também exige certas estratégias. 

Algumas marcas optam pela votação do público na hora de escolher o seu assistente virtual, mas tudo começa nos bastidores. Com os profissionais de Marketing que conhecem o público que consome a marca e, por isso, sabem quem seria a “pessoa” ideal para falar com ele. 

Usando todo esse conhecimento como base, cria-se então um personagem digital que já tem as características físicas e intelectuais que correspondem ao público-alvo da marca. 

Além dessa expertise, o profissional de marketing também pode atuar em muitas outras áreas promissoras, do digital até o ambiental. 


Na Unigran EAD você garante o seu diploma em Marketing em apenas 4 semestres. Consulte a grade curricular completa do curso acessando o nosso site, basta clicar aqui!

Leia também: Como anda o mercado para o profissional de Marketing?


Postagens Relacionadas