Como conseguir dinheiro para minha startup? | Blog Unigran Net

Para você que quer abrir uma startup, saiba que em primeiro lugar os riscos são significativamente altos.

Segundo uma pesquisa do Sebrae/ MIDC (2017), cerca de 12,5% das empresas com este perfil fecharam antes de completar 1 ano de idade.

Mas nem tudo na vida é um “freezer desligado”. A oportunidade em fazer a diferença no ecossistema de negócios do seu país e ajudar milhões de pessoas através de soluções e serviços inovadores, fazem com que este esforço valha a pena. 

Então você tem uma ideia de negócio, valida todo o processo e aí surge uma dúvida cruel:

Como vou arranjar grana para abrir a minha Startup?

Calma, pequeno gafanhoto disruptivo. Nós estamos aqui para te mostrar quais são as melhores formas de se conseguir investimento para abrir sua startup. 

Antes, vamos entender primeiramente quais são as 3 fases que qualquer uma delas passam? 

As 3 Fases de uma Startup: Busca, Construção, Crescimento

O primeiro estágio é o da Busca. Aqui, o foco é procurar um modelo de negócio com uma escalabilidade sustentável.

Por consequência, o produto/serviço gerado por meio deste mesmo modelo é único, com grande potencial de crescimento. No entanto, um ponto triste: a maioria das startups morrem aqui :(.

A proposta de valor apresentada deve ser convincente e bem estruturada. (Fonte da imagem: Indiana Online)

O próximo estágio é o que costumamos chamar de Construção. Nele, o processo de escala se acelera (geralmente é aqui que entra o investimento financeiro) para conquistar um fluxo de caixa positivo e mais clientes.

Nesta fase, a proposta de valor tem que estar bem definida, para atender as necessidades do mercado e dos clientes. Seja por meio de um novo mercado (oceano azul) ou dominando um mercado já existente (oceano vermelho).

E por último, temos o estágio do Crescimento. O nome meio que já entrega, não é? 

A empresa atinge um nível de maturidade que permite rodar os processos no automático. Sendo este um atrativo para investidores e novos talentos. 

Fontes de Investimento para Startups

Agora, vamos entender como você pode conseguir aquele investimento maroto para a sua startup? Abaixo:

Investidor Anjo

Ideal em momentos iniciais da operação. Trata-se de fundos de investimento e/ou empresários que fornecem uma quantidade significativa de capital em troca de uma participação minoritária da empresa. Neste cenário, é comum também que se tenham mentorships (ou mentorias) para orientar a forma como este dinheiro é utilizado.

Sócio Investidor

Aqui um casamento é realizado: a startup com o investidor. Que injetará um volume considerável de dinheiro para acelerar a operação. De fato, a sinergia (afinidade, acreditar na ideia, etc) entre estes dois entes é primordial para o sucesso a longo prazo.

Por outro lado, o sócio investidor costuma cobrar parcelas de participação maiores do que um  investidor anjo. Logo, pense bem antes de estabelecer esta parceria.

Equity Crownfunding (ou Financiamento Coletivo)

É uma iniciativa que está se tornando bastante comum no cenário brasileiro. O financiamento coletivo pode ser um meio interessante – e rápido – de conseguir capital para iniciar ou acelerar uma startup. 

Existem diversas plataformas online que ajudam as startups a terem acesso a milhares de “investidores anjos”, que dão uma determinada quantia para apoiar o negócio.

O financiamento coletivo é um meio rápido  de conseguir capital para iniciar ou acelerar uma startup. (Fonte da imagem: Social Brothers)

A lisura durante todo o processo e o comprometimento na entrega do valor proposto são pontos-chave para o sucesso neste formato.

O problema é que, dependendo do modelo estabelecido, podem haver problemas jurídicos com esses mesmos investidores. 

Capital Semente

Este tipos de fundo de investimento é indicado para projetos que possuem um tempo maior de operação, mas ainda sim considerados startups. Normalmente está acima do investidor anjo em termos de valores (até R$ 5 milhões).

Existem dois cenários onde são aconselháveis a utilização do capital semente: na estabilização da empresa, ajudando na  cobertura de despesas iniciais (construção do produto/serviço, RH, etc); e na aceleração da empresa, auxiliando na expansão da estrutura e na atração de fundos com maior capacidade de investimento.

Venture Capital

As diferenças básicas deste para o capital semente são o foco mais direcionado para empresas do ramo da biotecnologia e tecnologia, além de oferecer quantias maiores de investimento (até R$ 10 milhões). 

São fundos de risco que utilizam a aposta em startups mais consolidadas (de médio porte). E o fazem como uma forma de diversificar seu portfólio de ações e negócios.

Logo, o processo de seleção para se receber este tipo de investimento é muito mais rigoroso. No entanto, a oferta do expertise e conhecimento deste tipo de investidor são pontos a serem considerados.

Fundo Perdido e Programas de Iniciativa Privada 

Neste tópico, unimos duas modalidades que não solicitam participação societária e que podem ser de grande valia para iniciar uma startup: 

– O Fundo Perdido, como o nome já diz, são recursos fornecidos pelo Governo para viabilizar startups tecnológicas. 

– Já o Programa de Iniciativa Privada possui o mesmo formato, só que a motriz do investimento passa a ser de empresas privadas. Neste formato é mais comum encontrarmos apoio a incubadoras tecnológicas vinculadas a universidades públicas ou privadas.

Aceleradoras

O foco neste procedimento não é apenas garantir um investimento financeiro. O objetivo também é formar uma base de conhecimento sustentável e útil para o crescimento da startup.

Para isso, são investidos meses de trabalho com grupos de mentores, com experiência mais do que comprovada no campo dos negócios e focados exclusivamente em acelerar o projeto. Evitando assim que o mesmo tenha problemas no longo prazo.

Amigos e Família

Estes dois pilares da sua vida são os únicos que acreditam no seu potencial, podendo sim serem uma fonte de renda viável para uma startup em início de operação.

Afinal de contas, se seus familiares e amigos não acreditam no seu potencial, porque fundos de investimento deveriam acreditar?

No entanto, deve-se agir com extremo profissionalismo para não destruir relações familiares e amizades duradouras. 

Resumidamente, para abrir uma startup você precisa de capital financeiro, sim. Mas um outro tipo de capital também é muito importante: o intelectual. 

Neste caso, a Unigran EAD tem a solução com o melhor custo benefício, que é o MBA em Gestão Empreendedora de Negócios. Então, faça já a sua matrícula!


Postagens Relacionadas