O branding e as grandes marcas: definições e exemplos | Blog Unigran Net

Just do it. Parece que este slogan foi “feito para você”, não é mesmo? Mas acredite: ele não foi aleatoriamente criado, mas graças a uma metodologia chamada branding, cujo o interesse central é o de conquistar a mente e coração dos consumidores.

Em tempos de recessão econômica, qualquer diferencial competitivo que entregue um resultado rápido e eficaz para as empresas será sempre bem vindo. Neste cenário, mais do que nunca, o branding se torna um aliado fundamental e poderoso.

Por definição, branding é um conjunto de atividades estratégicas que permite a construção de uma percepção holística positiva de um negócio, produto ou  ideia,  perante o mercado, deixando mais evidente o poder da marca.

O objetivo central é o fomento de um despertar de sensações e de conexões conscientes e inconscientes no consumidor, com o intuito de exercer uma profunda influência no processo decisivo de compra. 

Com isso, a organização terá conversas mais saudáveis e de longo prazo com seus clientes e stakeholders, atingindo o tão sonhado crescimento sustentável.

Exemplos de branding bem sucedidos com grandes marcas

1. Coca-Cola

Como ignorar o fato do Papai Noel só se vestir de vermelho graças a uma propaganda da empresa, feita em 1931? É meio que impossível não mencioná-la, não acha?

Desde o design da garrafa até a famosa – e inconfundível – linha branca no rótulo, a Coca-Cola virou a representação mais próxima de um branding quase perfeito. Quase porque sim, houveram deslizes (“New Coke” que o diga). 

Mas no fim das contas a sua aura , ligada sempre a  tradição, família e o conceito de um mundo melhor, continua intacta até os dias atuais. 

E ela é sistematicamente reforçada, por meio de ações marcantes e presentes de marca (caminhão da Coca-Cola no Natal), além do vínculo com eventos esportivos relevantes (Olimpíadas e Copa do Mundo). 

Caminhão da Coca-Cola no Natal. (Fonte da imagem: Manchete do Povo)

2. Nubank

Quem nunca viu alguém com um cartão “roxinho” na fila de um supermercado ou na hora de pagar o ingresso no cinema? O Nubank, graças a sua comunicação inovadora, virou sinônimo de modernidade em meio a um mercado de players, digamos, “envelhecidos”.

A fintech brasileira criada em 2013 pelo empresário colombiano David Velez, usou o branding a seu favor no objetivo de revolucionar o mercado financeiro de cartões de crédito e conta digital, até então. 

Com uma linguagem leve, jovem e descomplicada – e sempre vinculada ao roxo -, a empresa  foi catapultada a um sucesso estrondoso. Só em 2019 o lucro foi de R$ 2,1 bilhões. E grande parte deste sucesso pode ser creditado a uma gestão de marca totalmente disruptiva.

3. Red Bull

Sim, o energético que “te dá asas”, também não pode faltar nesta lista. A marca austríaca que em 2020 fará 33 anos de idade, ainda é sinônimo de juventude, ousadia e experiências fora do comum. 

Desde uma comunicação irreverente/irônica, sempre presente nos intervalos comerciais, até o patrocínio de eventos radicais, como a Red Bull Air Racing (uma corrida de aviões?!), equipe de Fórmula 1 e  times de futebol (Red Bull Bragantino). 

A Red Bull Air Racing busca trabalhar a marca. (Fonte de imagem: Red Bull)

Todas estas ações fazem com que a RED BULL seja  um raro exemplo de branding que, independente do envelhecimento da marca, sempre mantém o seu espírito jovem e antenado com o que há de mais atual na sociedade.

Branding para Pequenas Empresas: como fazer?

Você deve ter percebido nos exemplos acima que, todas as empresas citadas são gigantes multinacionais muito bem sucedidas em seus campos de atuação. Então temos e pergunta: “mas o Branding também funciona para aquele armarinho que fica na esquina da minha casa?”

A resposta é sim, claro. No entanto, como aplicar esta metodologia em empresas que não possuem o mesmo investimento que uma Nike, por exemplo? Neste caso, podemos citar pelo menos cinco passos simples para iniciarmos um branding de sucesso. São eles:

  1. Definição do nome – originalidade, de acordo com os princípios e valores da empresa e o público alvo;
  2. Identidade Visual – definir conceito da marca, materializado pelo Manual da Marca;
  3. Registro da Marca – para desenvolvermos um contato único com seu público mais para frente, é fundamental garantir que mais ninguém a use;
  4. Site – agora chegou a hora de mostrar a sua marca para o seu público-alvo. Se você não tem capital para uma inserção publicitária, um site estará mais ao seu alcance;
  5. Marketing Digital – divulgue sua marca através de ferramentas como Google Ads e Facebook Ads, ou estratégias como Inbound Marketing.

A partir daí, abre-se um caminho sem volta para que a pequena empresa colha resultados por meio do branding, com um investimento adequado a sua realidade.

Se você deseja ajudar estas e outras empresas a trilharem esse caminho, a Unigran EAD oferece o melhor custo benefício em termos de aprendizado, que é o  MBA em Comunicação e Marketing.  E o melhor: sem sair de casa. Não perca essa chance!


Postagens Relacionadas