O que inclui o projeto executivo de uma obra de engenharia? | Blog Unigran Net

Toda obra de engenharia precisa de planejamento. Por isso, antes de iniciar qualquer trabalho, é fundamental que haja um projeto. Nele, devem ser descritos procedimentos como a fundação, instalação de sistemas hidráulicos e elétricos, entre outros. Mas, será que esses aspectos devem ser incluídos no projeto executivo ou no básico?

Compreender as diferenças entre cada um é essencial para elaborar bons planejamentos. Além disso, quem sabe montar um projeto executivo com perfeição tem um importante diferencial na carreira. Afinal, o que está no papel tem impacto direto sobre o andamento e o resultado da obra.

Sabendo dessa importância, decidimos preparar este artigo em que apresentamos uma série de conceitos importantes sobre o assunto. Leia até o final e entenda como deve ser feito o projeto executivo de uma obra.

Antes de tudo, o que é um projeto?

projeto executivo de engenhariaSe generalizarmos o conceito de projeto, podemos dizer que trata-se do conjunto de aspectos conceituais, técnicos, executivos e operacionais que envolvem a execução de uma obra, bem como o trabalho dos profissionais das áreas de engenharia civil e arquitetura.

Há uma série de parâmetros estabelecidos para a elaboração de um projeto. Inclusive, isto está previsto em leis e decretos que regulamentam as profissões de engenheiro civil e arquiteto.

Com base na lei 8.666, de 1993, um projeto se divide em duas etapas: o básico e o executivo. Além desses, podemos incluir também o projeto conceitual, que vem antes dos demais. Nele, são descritas e validadas as ideias e soluções para as necessidades a serem atendidas pela obra. Trata-se, portanto, da fase inicial do planejamento.

Existe diferença entre projeto básico e projeto executivo?

O projeto básico e o projeto executivo constituem as principais etapas do planejamento de uma obra. No entanto, a distinção entre ambos ainda causa certa confusão, sobretudo quando se tratam de obras executadas com dinheiro público.

Isso porque os processos de licitação deveriam exigir o projeto completo (básico e executivo). No entanto, o que frequentemente acontece é que as empresas concorrentes não apresentam sequer o projeto básico, mas um anteprojeto. Portanto, para não restar dúvidas, pontuamos aqui as diferenças que devem ser observadas:

Projeto básico

Pela lei 8.666, o projeto básico é definido como o:

conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução […]

Na prática, isso significa que, nesta fase, são definidas etapas, elementos e serviços que deverão compor a obra. Ou seja, trata-se de identificar e detalhar as características do projeto. Para isso, esta fase inclui estudos de viabilidade, além de análises sobre impactos ambientais, sociais e humanos.

Sendo assim, o projeto básico deve conter, entre outros aspectos, a planta baixa do empreendimento, coberturas, fachadas, além dos projetos de fundação, estrutura, instalações elétricas, hidráulicas e paisagismo. Por fim, inclui-se aqui a previsão de custo da obra, métodos e prazos.

Projeto executivo

A mesma legislação preconiza que o projeto executivo seja caracterizado pelo:

conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.

Em outras palavras, esta é a etapa em que todos os elementos para a execução da obra são detalhados. Portanto, é fundamental seguir o que já foi planejado no projeto básico. Além disso, é imprescindível cumprir as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Em resumo, o projeto executivo deve pormenorizar todas as informações que guiarão a obra. Isto inclui, portanto, aspectos como plantas detalhadas, cronogramas, orçamentos, listas de fornecedores, especificações técnicas, entre outros.

As principais áreas contempladas pelo projeto executivo são:

  • Plantas baixas – devem conter desenhos detalhados com todas as especificações do projeto;
  • Cronograma de atividades – deve prever o tempo necessário para cada etapa da obra, estipulando prazos para entrega dos serviços;
  • Planilhas de materiais e equipamentos – é fundamental incluir todos os materiais e equipamentos necessários para a execução da obra, detalhando quantitativamente cada item;
  • Orçamentos – a partir da relação de materiais necessários, deve-se anexar os orçamentos de diferentes fornecedores e prestadores de serviço;
  • Negociações – além dos orçamentos, também é importante incluir as negociações de preços com fornecedores, o que pode ajudar na tomada de decisões;
  • Especificações técnicas – todas as normas que devem ser cumpridas para que o projeto esteja dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pela ABNT.

projeto executivo de obra unigran netÉ fundamental que todos estes aspectos sejam observados com atenção, principalmente em obras que envolvem licitações públicas ou privadas. Afinal, no projeto executivo podem surgir inconsistências que vão desde erros de cálculo e desenhos sem revisão até superfaturamentos.

No caso das obras públicas, qualquer erro pode gerar grandes problemas e, dependendo da gravidade, até incorrer em ações judiciais contra construtoras e engenheiros responsáveis.

Quer aprender mais sobre o assunto? Então, conheça o novo MBA em Gerenciamento de Projeto de Obra. A pós-graduação é voltada a profissionais das áreas de engenharia, arquitetura e administração e visa fornecer uma especialização detalhada sobre o planejamento e controle de obras.  Clique aqui para saber mais sobre o curso!


Postagens Relacionadas